Papel Principal

2-Janeiro-2008

Não Fumar, fotógrafo à vista

capaDNA nova lei do tabaco está em vigor.

A nova lei será principalmente fiscalizada pela ASAE.

O presidente da ASAE foi apanhado a fumar por um jornal.

A lei do tabaco é nova, mas existe outra lei em vigor há mais tempo.

É a Lei do Jornalista num raio de 10 kilómetros.

Diz esta lei que se houver um jornalista – com gravador, camera ou máquina fotográfica à mão . mais vale prevenir.

É que a possibilidade de ser citado, fotografado ou ser notícia.

Como acaba de descobrir esta manhã o homem que fuma uma cigarrilha celebrando o Ano Novo.

Anúncios

26-Outubro-2007

Teoria do Cardume

Filed under: Geral,jornalismo,media — Pp @ 10:44
Tags: , , ,

Os jornalistas são como um cardume de peixes.

Todos se movem livremente, mas apenas até aos justos limites do grupo de peixes.

É certo que alguns estão no lado de fora e outros no centro do cardume.

Mas se algum sai para longe de mais do grupo é comido pelos tubarões.

Este cardume de peixes tem geometria variável e ora se transforma numa matilha de lobos, ora num rebanho de ovelhas.

Se der matilha são tablóides e panfeletários. Se der rebanho são carneirada obediente.

Em qualquer dos casos quer os mares, quer os os pastos são propriedade dos poderosos.

Políticos, banqueiros, ricos e influentes. Os tubarões portanto.

22-Outubro-2007

O procurador é gonzo

Descobri o jornalismo mais-do-que-perfeito.

O jornalismo Gonzo.

Há dias em que apetece mesmo armar ao pingarelho e gonzar com o jornalismo.

Aliás o conceito de “Gonzo” segundo o que se escreve na enciclopédia wikipédia, aplica-se ao último homem a cair numa bebedeira colectiva.

Este conceito de jornalismo Gonzo aplica-se na perfeição ao jornalismo político e judicial que se faz em Portugal.

O exemplo perfeito é a entrevista do Sol ao Procurador-Geral da República. O jornalista e o procurador decidiram "gonzar" de nós.

Gonzo é um estilo de narrativa em jornalismo, cinematografia ou qualquer outra produção de media em que o narrador abandona qualquer pretensão de objetividade e se mistura profundamente com a acção

10-Outubro-2007

Salvem o Zé, da politica

José Rodrigues dos Santos deixou de ser um ícone do jornalismo e passou a ser uma granada de mão política.Meninos, aos vossos postos…

Quem é do PS, levante o dedo… Quem é contra o PS, grite e urre… Quem é do PS e mas não chupa este governo, assobie…

Não percebo de que lado está Ana Gomes, mas este post parece-me inspirador.

É tão confuso e nubloso como as alegadas pressões que alegadamente JRS diz que eventualmente existiram na RTP.

Vocês sabem do que eu estou a falar…

http://causa-nossa.blogspot.com/2007/10/jos-rodrigues-dos-santos.html
permanent link

(via Causa Nossa)

Lavar as mãos ou a cabeça?

Filed under: Sem categoria — Pp @ 14:47
Tags: , , , , , , , ,

As mensagens tem sempre e pelo menos dois prismas.

De quem comunica ou de quem ouve.

Por isso ou vamos ali lavar as mãos ou estamos a lavar a cabeça.

Escolha.

lavar mãos

Especulação jornalística

Filed under: RTP,sic,tvi — Pp @ 0:22
Tags: , ,

Especular é como fazer amor sem ejacular.

Abriu a caça

Filed under: RTP,sic,tvi — Pp @ 0:18
Tags: , ,
Abriu a caça ao Zé.
SIC e TVI na corrida.
Popular apresentador pondera entre aceitar os convites ou partir para Lanzarote, ilha de escritores.
Polémica no canal público
RTP nega suspensão de Rodrigues dos Santos
Luís Marques, administrador da RTP, revelou ao SOL que «o Sr. Dr. José Rodrigues dos Santos não foi suspenso». O jornalista também não tem conhecimento de qualquer processo disciplinar e afirmou não ter medo do comunicado emitido pelo Conselho de Administração do canal público: «A razão da força pode estar do lado da Administração, mas a força da razão está do meu lado»

Sol

8-Outubro-2007

“Passerele”?

Filed under: Sem categoria — Pp @ 12:11
Tags: , , , , , , , ,

tatuagem_ano (4)i

A “Passerele” muda-se para o tribunal

Filed under: Sem categoria — Pp @ 9:46
Tags: , , , , , ,
Tirar a roupa é um negócio rentável.
Alegadamente.
Traficar mulheres é um negócio lamentável.
Eventualmente.
É que este julgamento se Leiria não tem como centro a exploração de mulheres nem a luxúria que se fareja nestes estabelecimentos.
Negligentemente.
O caso tem a ver com DINHEIRO, com IMPOSTOS.
Óbviamente.
Ia lá agora a polícia e um tribunal aborrecer-se com esses assuntos laterais ao poder e ao dinheiro.
Será que vão acusar os clientes da "Passerele" de fuga ao fisco?
Será que devemos pedir recibo por serviços prestados nas "Passereles" do país?
E o trabalho de campo dos polícias no terreno – disfarçados, claro – deu direito a pagamento de ajudas de custa?
Vou estar atento à imprensa dos próximos dias.
Terão coragem para relatar os pormenores ou teremos apenas direito a informação incompeleta e cinzenta?
O tribunal de Leiria inicia hoje o julgamento da rede "Passerelle", uma cadeia de casas de "strip-tease" em que as autoridades detectaram indícios de crimes fiscais, na ordem dos 25 milhões de euros.
Além da evasão fiscal, os arguidos são acusados de posse de armas, auxílio à imigração ilegal e tráfico de pessoas, entre outros, num total de 1 200 crimes

7-Outubro-2007

A revolta dos pivôs

Filed under: RTP,sic,tvi — Pp @ 18:45
Tags: , ,

Rodrigo Guedes de Carvalho fala mal da SIC (DN)

José Rodrigues do Santos fala mal da RTP (na Pública)

Manuela Moura Guedes está na prateleira da TVI.

O que se passará com os apresentadores de notícias em Portugal?

Deu-lhes a maluqueira? Vão trocar de canal? Entre si?

Ou estão a treinar para o Big Brother?

Rodrigo Guedes de Carvalho dixit

Primeiro falei ao nível das audiências. E as audiências são públicas e notórias, não posso dizer que estamos a ganhar, quando estamos mal em audiências. Quem me preza, preza-me pela minha frontalidade. Mas as suas declarações não podem ser vistas como críticas?

De todo. Não estou a criticar ninguém. Teria que me incluir a mim próprio. Das minhas palavras não se pode aferir quebra de solidariedade com a SIC.

Mas diz que a crise é geral e que o está a deixar assustado, avisa que a televisão não se faz com tostões e lamenta a perda de arrojo. Isso não é criticar?

Cada um de nós tem palavras fetiche. Eu uso muito a palavra assustado, mas não é nesse sentido. Agora, não posso dizer que está um mar de rosas. A SIC foi vítima da sua própria história. Quando atingiu os 50% de sharesentia-se que aquilo não ia aguentar e hoje luta taco-a-taco com outros canais. Com a perda de monopólio da SIC, que arrasta informação e programação, e com a subida da TVI alavancada no Big Brother, houve mudança de públicos e a SIC está à procura de saber como vai reconquistar esse público.

Mas não põe em causa o projecto quando diz que a SIC não sobrevive com a ideia de poupar?

Eu não tenho queda para mártir. Não estou convencido do falhanço do projecto. Por contingências várias tem havido afastamento em relação à SIC generalista, mas hoje a SIC é um universo e não são só as audiências que pesam. A administração deu agora carta branca para investimento na área da informação. A SIC está com novo fôlego. Não podia integrar a direcção se não acreditasse nisso.

(via DIÁRIO DE NOTÍCIAS – Capa DN Domingo, 7 de Outubro de 2007

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.