Papel Principal

30-Janeiro-2008

Desfazer um ministro da saúde

Filed under: politica,saúde — Pp @ 11:32
Tags: , ,

Brilhante.

Ou o rolo compressor da televisão.

O que vale é que vem aí outra ministra para cilindrar. 

Como se desfaz um ministro 

Primeiro monta-se uma metódica campanha de assassinato político, com a prestimosa colaboração das televisões-tablóide. Depois passa-se a mensagem de que “o ministro é insustentável”…

Anúncios

29-Janeiro-2008

Recauchutagem governamental

Subsituir um ministro que está  cumprir o programa do governo à risca é estúpido.

Trocar de ministro da saúde no meio duma batalha essencial para a reforma das urgências é desistir.

Trocar Correia de Campos pode ser uma bela medida de cosmética, mas vai pagar-se caro.

Querem apostar comigo em como as contas dos hospitaisvão derrapar e os medicamentos subir em flecha?

Querem apostar que a reforma das urgências fica adiada que só aparecerá com um atrazo de dez anos.

Raios partam as lógicas eleitorais.

Será que a nova ministra tem vontade própria?

8-Dezembro-2007

Quatro palavras, quatro doentes e quatro imbecis

Filed under: blogosfera,saúde,som do dia,televisão — Pp @ 0:48

Li no blogue da BLOGotinha um retrato digno duma repórter.

O relato mostra que tal como na televisão, bastam poucas, ou quase nenhuma palavra para que qualquer leitor/telespectador veja tudo e depressa.

É a cena cinamatográfica do abandono dum centro de saúde.

Metafóricamente é também o abandono dos doentes. Neste caso da Gotinha.

Vale ler e comentar.

Intervalinho Colectivo

11:20H

Caminho em direcção ao Centro de Saúde por causa do meu atestado médico. Deparo-me com a seguinte cena: a médica, a enfermeira, a administratva e mais 2 homens (presumo que delegados de propaganda médica) a entrarem para os carros. Pergunto se vão sair. Respondem-me que vão “fazer um intervalinho.”

– E demoram?

– É só tomar café!

Vejo-os a sair em 2 carros e entro no centro de saúde. O Centro de Saúde está ocupado com apenas 4 doentes. Não há um único funcionário. Isto será normal? Acontecerá noutros Centros de Saúde?! Acho tudo isto muito surreal. Claro que têm direito ao seu “intervalinho” mas será que têm que ir todos juntos? Todos ao mesmo tempo deixando o centro abandonado de responsáveis??! Não é a primeira vez que isto acontece. É a segunda vez que presencio mas seguntos os doentes da sala de espera é algo que acontece todos os dias.

Há coisas fantásticas, não há?!

BLOGotinha

27-Novembro-2007

Tabaco ou a resistência dos fumadores

“Há muita gente ansiosa por Janeiro para se vingar dos fumadores.”

António Conde Pinto, presidente da Unihsnor – União das Empresas de Hotelaria, a propósito da nova Lei do Tabaco que entra em vigor a 1 de Janeiro de 2008. Diário de Notícias, 27/11/2007

Frase do dia.

Porque será?

Vale pelo “sound-bite”. Demonstra quanto os hoteleiros e donos dos restaurantes são quase tão retrógados como os taxistas.

Em termos de comunicação fez uma bela frase. Para os que não querem fumar, mas respirar – como eu – soa-me a ofensa.

9-Novembro-2007

As vacinas ganham eleições

Qual a razão principal para tornar a vacina do cancro do colo do útero grátis?

As próximas eleições. Ganhar as próximas eleições.

Sem estudos científicos ou técnicos disponíveis que suportem o anúncio do primeiro-ministro tratou-se de pura manobra política.

Aliás quando um governante toma uma decisão ao arrepio ou sob completa ausência de estudos de suporte justifica-a sempre como uma decisão política. Como se as decisões políticas num país civilizado não tivessem que ter razões fortes.

Claro que o primeiro-ministro não quer saber disto. Não lhe convém. É a política.

O mesmo José Sócrates nos atira com estudos de peritos para justificar a escolha da Ota para o novo aeroporto ou a inocuidade da inceneração de resíduos perigosos, omite a sua ausência no caso da vacina.

Transforma a decisão num mero artifício ou meio para atingir o seu fim: ganhar as eleições.

Tal como Durão Barroso – lembram-se – quando prometeu e ofereceu a vacina contra a meningite.

Caro Dr. Filipe Menezes comece já a procurar uma vacina para o guindar ao poder. É uma palavra mágica.

Mas faça como os outros: decida primeiro e arranje depois umas justificações duns médicos quaisquer.

25-Outubro-2007

Títulos mortais

Há títulos verdadeiramente mortais.Matam tudo. Até a notícia.

Como o do Sol com a troca de Hospital do Barreiro por Hospital do Berreiro.

Um título à Independente ou uma gralha?

Hospital do Berreiro conta cinco fetos-mortos desde Setembro

Desde 20 de Setembro que o Hospital do Barreiro registou cinco fetos-mortos, uma «coincidência infeliz», dizem os responsáveis em notícia adiantada pela Antena1, que representa um valor próximo do total de 2006

in Sol

(via Hospital do Berreiro… « A ovelha perdida

Bebés, coincidencias e o raio das estatísticas

Um bebé morto na barriga da mãe é uma tragédia.

Cinco bebés mortos num mesmo hospital é “uma coincidencia infeliz

Vale bem o prémio nobel ao sound-bite patético do ano.

Quem vê ou ouve pode acreditar num primeiro momento. Mas a eficácia desta declaração substitui-se rapidamente pela dúvida.

Instalada e permanente.

E o raio dos consumidores de notícias são desconfiados pra burro.

São intuitivos e emocionais.

Um choque frontal com a frieza dos médicos a contar mortos.

Cinco fetos-mortos no Hospital do Barreiro desde Setembro DR “Coincidência infeliz” O Hospital do Barreiro registou cinco fetos-mortos desde 20 de Setembro, um valor próximo do total de 2006 e que foi explicado como uma “coincidência infeliz”, noticiou hoje a rádio Antena 1.
Cinco fetos-mortos no Hospital do Barreiro desde Setembro –

RTP Informação

Create a free website or blog at WordPress.com.